voltar

SERPENTES E MUNDOS SUBTERRÂNEOS

Buda Muchalinda (imagem da intenet)

Imagem internet

  A superfície do planeta Terra está repleta de antigas inscrições, artefatos, ruínas e marcas que são testemunhas deixadas por civilizações já desaparecidas, que em tempos pré-históricos empenharam-se de alguma forma em perpetuar sua cultura.

  Não há dúvidas que todos esses registros tinham de servir à um fim determinado, desde o local onde foram encontrados, até sua finalidade, dando aos mesmos uma característica toda especial.

  São muitas as evidências de inscrições, imagens gravadas em rochas e cavernas, desenhos misteriosos de animais, linhas, astronautas, espaçonaves, todos muito importantes.

  No entanto, um estudo atento da história das culturas e religiões através dos tempos, dá a perceber que um dos mais enigmáticos é o símbolo da serpente. Podemos encontrar este símbolo na Medicina (Bastão de Asclépio ou Esculápio), na Religião (Caduceu de Hermes), (Bastão de Moisés), (a famosa serpente da Bíblia), na mitologia Maia (Deus salvador Quetzalcoatl, a serpente emplumada), na mitologia pré-colombiana (Serpente Visão), na mitologia Indu (Os Nagas, as serpentes da sabedoria) e (Sarpas que também vivem nos subterrâneos da Terra, são associados a grande sabedoria e interagem com humanos da superfície). Para citar somente os mais conhecidos.

Serpente Emplumada

Representação do Deus Quetzalcoatl, aparecendo

em sua forma de serpente emplumada. (imagem internet)

  Assim, podemos dizer que estes pontos não são de todo inéditos, mas temos que convir que a serpente num contexto geral, embora muitos achem que não, é extremamente identificada como símbolo da ,sabedoria, renovação, cura, eternidade (energia cíclica), força vital, fertilidade, mistério. Além disso, quase sempre ligado a deuses ou como guardiã da entrada de mundos subterrâneos.

  SOBRE OS MUNDOS SUBTERRÂNEOS

  Estes guardam muitos mistérios que envolvem mitos ou lendas difundidas por toda a história da humanidade de superfície, nos deparando com um sem-número de referências. A começar pelos mistérios da Terra Oca, por Agharta e Shamballa, sede inicial dos Grandes Iluminados Mestres ou Misteriosa Mansão dos Eleitos, insistentemente mencionadas em antigos textos orientais, Telos sob o Monte Shasta Califórnia, ERKS sob a Serra de Uritorco em Córdoba, Argentina e muitos outros, além de tudo isso, mais recentemente divulgado Davhana sob a Serra de Juréia-Itatins, Est. de São Paulo, Brasil, onde inclusive podemos encontrar o tão discutido sinal da serpente em um de seus portais interdimensionais.

Figura da Serpente em um dos Portais do

Centro Intraterreno de Davana (imagem internet)

  Assim, mundos subterrâneos e serpentes atualmente são enigmas arqueológicos que reunidos a tantos relatos de aparições próximas aos locais, luzes e bólidos sobrenaturais, ruídos que partem do interior de montanhas, devem ser pesquisados e entendidos não como mitos ou lendas, mas como uma página muito importante do grande livro da verdadeira história de nossa humanidade.

  Então, tudo isto nos incita a questionar:

  Qual a relação entre serpentes e mundos subterrâneos?

  Qual será a mensagem contida no símbolo da serpente em relação aos mundos subterrâneos?

  O que eles (a serpente e os mundos subterrâneos) têm a ver com nossa humanidade?

  De onde se originaram?

  O que eles querem exprimir?

  Como honestamente não há respostas convincentes para tais perguntas, cuja raízes ainda ignoramos, através do processo de canalização, Airumã (um guardião intraterreno dos portais de Davhana) nos transmite seu conhecimento sobre o assunto:

  “Quando nossos irmãos mais velhos de outros sistemas estelares chegaram a superfície deste planeta, os seres humanos estavam apenas em sua primeira etapa de evolução. Ainda não tinham total controle de seus próprios sentidos e involuntariamente, eram instrumentos das forças telúricas que imperavam em todos os reinos. Foi necessário um grande planejamento do plano superior para que a ordem pudesse se estabelecer na construção da vida planetária.

  Trabalhar em corpos tão densos não seria possível, pois levaria muito tempo (o que até hoje acontece), então se optou em primeiro lugar em lapidar o nível mental da personalidade. Esse procedimento abriria importante canal de ligação para o desenvolvimento da consciência humana de superfície.

  Essa missão foi perfeitamente acolhida por nossos irmãos do sistema estelar de Sirius, que neste tempo trabalhavam na construção física dos Centros e vias Intraterrenos.

  A coligação da mente concreta com a consciência superior de Sirius deveria ser de maneira compatível ao nível de evolução física do planeta. A característica desse contato deveria ser pautada em impulsos que a consciência do homem comum pudesse assimilar e não inteiramente pela cultura mãe, pois correria o risco do “Projeto Terra” se tornar intransmissível.

  Este importante elo mental entre o homem de superfície e a civilização de Sirius, foi comparado a uma “serpente”, simbolizando a ordem sagrada da sabedoria, elo entre o céu e a Terra, que em vossas antigas escrituras foi muito mal interpretada.

Imagem internet

  Daí a permanência do mito em todo o planeta, da antiquíssima tradição do “povo serpente” vindo das estrelas.

  Quando o trabalho terminou na Terra, o povo de Sirius retornou em suas naves para junto de seus semelhantes. Os centros subterrâneos estavam prontos e o elo entre o homem de superfície e as fontes superiores havia sido estabelecido. Só a mensagem ficou na lembrança e muitas imagens de serpentes ficaram gravadas por onde os “deuses” passaram.

  No Intuito de corroborar em Davhana existe uma imensa Biblioteca contendo todo o assunto literário pormenorizado acima e de onde também extraí o milenar texto que segue abaixo:

Conheci a sabedoria no grande dia que a luz da serpente,

desceu da grande estrela,

porque meus pensamentos não eram do senhor.

Fui feito filho da Luz, assim,

contemplei os mistérios da suprema verdade.

  Do livro Santa Cruz - sagrada escritura presente nos arquivos no Templo do Cristal em Davhana*”

  Enfim, Airumã nos revela que, serpentes e mundos subterrâneos estão intimamente interligados pela intervenção benéfica de nossos irmãos de Sirius. E entrar neste assunto requer muito mais páginas, pois é um assunto senão misterioso, mas esplendidamente intrigante.

  São inscrições, vales maravilhosos inacessíveis, passagens subterrâneas, que em seu maravilhoso contexto, certamente nos levam a refletir no tanto que ainda a Natureza Suprema tem a revelar.

  *Centro Intraterreno localizado na Serra de Juréia-Itatins, Est. São Paulo.


AIRUMÃ-Um guardião dos portais de Davhana

Canal - José Roberto Gomes

  

"É PERMITIDA A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO DESSA PUBLICAÇÃO DESDE QUE SEJA CITADA A FONTE DE ORIGEM.”

voltar