voltar

O HORIZONTE QUE NÃO SE PERDEU

  Falsos são os conceitos que baseados em condições desfavoráveis a uma visão mais holística, apresentam teses que o homem do planeta Terra não tenha passado por existências anteriores em planos diferentes a este.

  Não há como negar que a roupagem física de 3o dimensão da humanidade encarnada seja uma estrutura a semelhança da perfeição. Órgãos, sensores (nervos) e construtores (células), são unidades de um ser que perfeitamente projetado, representa uma fascinante ilha viva que recebe o recém-chegado marinheiro (o espírito), para uma vida em comum. Se o marinheiro fica apenas na orla da praia, não adentrando a desconhecida floresta e seu interior, nunca ficará sabendo se ali não há mais alguém que poderia fazer-lhe companhia durante o estágio de isolamento, que temporariamente irá passar.

  A harmonia que reina na ilha (corpo físico), passa a ser comandada por seu recém chegado visitante, o marinheiro (espírito). Quanto mais ele explora em conhecimento a ilha, mais vai saber onde retirar seu sustento.

  Saberá em que locais poderá se abrigar nos dias de tempestades, como também se deliciar das fontes de águas claras nos quentes dias de sol.

  Sempre que precisar, sabe que poderá contar com tudo o que aprendeu, porém teve que palmilhar passo a passo o conhecimento, investigando locais, como também observando a natureza e seus ciclos.

  Esse é o trabalho dos que se puseram a caminho da evolução espiritual. Ela não tardará, porque o princípio da redenção basea-se antes de tudo no auto-conhecimento, na observação séria e amiúde da natureza e seus ciclos que habita dentro de cada ser.

  Originalmente o espírito carrega em si a Essência Divina, a perfeição que é a herança sagrada que arde dentro de cada consciência.

  A certeza e a confiança na entrega da vida ao Governo da Sagrada Energia Divina, facilita o ser a conhecimentos que o levarão a perceber horizontes antes inimagináveis, que ora se deslumbram a sua frente como toque mágico, porque não há mais as imposições tão concretas da consciência racional. O caminho que antes era indicado somente pela visão da matéria, agora enxerga também pormenores que o ajudarão na decisão mais verdadeira, diante das bifurcações das estradas da vida.

  O sentimento de egoísmo que leva o ser à separação do “Todo” é transmutado em solidariedade, não pelo fato de exibicionismo, mas porque sentimentos mais sutis já ancoraram na energia áurica dos corpos espirituais e a intuição que é o veículo de comunicação entre o externo e o interno é descoberta preciosa, expandindo sua alta tecnologia cósmica para outros setores do espírito. É quando a vida se translada para outros locais. A procura da paz e harmonia se instala no interior e a comunhão com fontes externas e locais de alta energização são os mais procurados.

  O horizonte que se deslumbra é um sentimento de liberdade de estar numa outra vida, numa outra dimensão, o horizonte que jamais se perdeu, “o espírito”.


LUCIAN - Uma consciência de Sírius

Canal - José Roberto Gomes

voltar