voltar

BENEVOLÊNCIA PARA COM IRMÃOS INFERIORES

  A estrutura espiritual do homem terreno está baseada na evolução das raças e sub-raças, que há milênios vem caminhando sobre a superfície da Terra.

  Sua situação atual consiste em seus passos muito lentos, sobre a real explicação de sua aparição no plano. Hoje se sabe que os genes que vigoram no corpo físico do ser da Terra é originários de inseminações extraterrestres, que os “Jardineiros do Espaço” vem acompanhando como flor tenra, que com carinho e devoção foi plantada.

  A expectativa para que essa flor cresça e se desenvolva é grande.

  Espera-se que através do DNA primitivo, que foi implantado no passado, hoje com sua modificação evolutiva - o GNA - transformações significantes possam aflorar na consciência da humanidade terrena e com isso, o entendimento que o ser encarnado no plano é parte integrante da natureza, com obrigações, direitos e tarefas a serem realizadas, como a de cuidar e encaminhar aqueles que vem seguindo logo atrás na escala evolucional, denominados como “irmãos inferiores em estado de consciência”.

  A mais próxima ao homem é o animal, que tem prestado valoroso serviço, mostrando-se submisso e até trazendo exemplos de perseverança, amor e abnegação ao seu superior.

  A necessidade do acolhimento dessas consciências como irmãos em evolução é uma questão de visão humana. Muitos adotam critérios de irresponsabilidades sobre eles e não aceitam a tarefa e obrigação de se sentirem orientadores de um ser, que está no plano somente para servir.

  Uma das tarefas primordiais da consciência do homem, que recebeu seus atributos maiores na escala da evolução no plano da Terra é de cuidar de seus irmãos menores.

  Grande é o serviço que o homem prestará a natureza conscientizando-se dessa responsabilidade, pois na condição de consciência mais evoluída deve guiar, proteger e cuidar, para que esses seres que tem sua tarefa evolutiva como todos, seja encaminhado na sua trilha reencarnatória cármica, como a dos homens, com alegrias, sofrimentos, doenças, felicidades e solidão, dependendo do seu planejamento espiritual.

  Por ser uma alma-grupo, ainda sente os reflexos de sua comunidade muito intensamente, mas já desperta sempre muito próximo a mutação de sua mônada, sentimentos nobres de amizade, amor, abnegação e respeito àquele que o conduz na senda evolutiva.

  O rompimento dos laços para mudança de um reino a outro, também segue os princípios do reino humano. Sempre que uma preparação espiritual tenha chegado ao fim, após longa experiência, a consciência desperta naturalmente para uma outra visão de vida como ser criado por DEUS que foi.

  A importância da responsabilidade sobre esses irmãos menores não só se encontra nos feitos e deveres. Acima de tudo está na conscientização, nos confins do coração onde mora o amor, pois com ele saberemos entender que, cuidar da evolução natural é muito mais do que alimentar e dar moradia.

  Sentiremos que somos parte integrante da energia cósmica Divina e que a ligação entre nós é um laço forte ligado pela Mão de DEUS.


LUCIAN - Uma consciência de Sírius

Canal - José Roberto Gomes

voltar